Archive for May, 2013

Roller Coaster

Friday, May 17th, 2013

Pois bem… voltei a escrever, com motivo e necessidade.  Escrever é saudável, ocupa o nosso tempo, despeja os pensamentos, dá prazer intelectual. Enfim, voltei.  Entre o post passado e este, melhorei bastante. Estou me cuidando, estou lutando contra os pensamentos negativos e contra o medo… o pior mostrinho da ansiedade.  A batalha não é fácil, mas será vencida; ou melhor… foi vencida. Chega uma hora que você pára de pensar nos mil motivos pelos quais você sente solidão, tristeza, sei lá o quê… porque é mesmo inexplicável.  Chega uma hora que você pára de deixar o egoísmo dominar a sua mente e abre os olhos e enxerga as outras pessoas, as outras vidas… No meu caso, não posso reclamar de nada.  Minha vida nunca foi perfeita, como a vida de todo ser-humano, mas sempre vivi coisas boas e tive sorte.  O meu problema é ser emotiva demais…  eu me preocupo com tudo e com todos, sofro por tudo e por todos… Às vezes, gostaria de ser menos “ser” e mais “humana”.  No sentido de ser menos “sensível” e mais “normal”… aceitar que errar é aceitável, perfeição não é possível, controle é relativo e a vida é uma roller coaster.  Nunca fiz planos, sempre deixei a vida me levar… e não é agora que vou começar a planejar a vida., porque no final das contas, a vida não pode ser planejada… devemos viver um dia por vez e ponto final.

O monstrinho de duas cabeças

Tuesday, May 7th, 2013

Será que é muito cedo para falar sobre o monstrinho que puxou o meu tapete e me deixou estatelada no chão?  Será que é muito cedo falar sobre a ansiedade e a depressão?  Um monstrinho de duas cabeças que há alguns anos atrás aterrorizou a minha vida, perdeu a batalha, mas voltou a bater na minha porta no começo deste ano?  Será que é muito cedo falar sobre isso, quando ele, o monstrinho, JÁ está no chão, mas eu ainda preciso ter forças para dar os últimos golpes e acabar com esta luta?  Nunca pensei que ele me derrubaria de novo… Sabe quando você está aprendendo a andar de bicicleta, aprende, acha que tem tudo sobre controle,  começa a correr e, de repente, aprende que brecar descendo uma rampa não adianta, você vai se esburrachar do mesmo jeito? Pois então… eu reconheci todos os sinais, mas quando corri para pedir ajuda, já estava toda roxa do tombo olímpico.  Passei por dias difíceis… mas estou lutando, ou melhor dizendo, estamos (porque meu marido está ao meu lado a cada segundo).  Tive que deixar a faculdade este semestre… maridon teve que voltar do Afeganistão as pressas, porque parei no hospital duas vezes (além das visitas semanais ao pronto-socorro), mas estou lutando… remédio, terapia, palavras, palavras, palavras…  Desta vez, tive (e tenho) sintomas psicosomáticos… um formigamento irritante nas pernas, nas mãos, nos braços e na cabeça, causado pela tensão nos ombros, no pescoço e nada pernas… Tenho a sorte de ter uma médica que é um amor… calma e compreensiva, daquelas que responde todas as trocentas perguntas de um pessoas ansiosa…

Minha terapeuta diz que eu só preciso abrir a porta… a chave está lá, só preciso dar mais alguns passos e abrir… Abrir e sair para ver o sol de novo.